terça-feira, 1 de julho de 2008

Visitas Mágicas

-Mamã! Mamã! Caiu um dente!
E vai Pedrito correndo pela sala, gritando de dente na mão. Um dia, vira um menino sem dentes e achou muito feio, mas a sua mãe disse-lhe que os dentes de leite iriam cair, mas depois voltariam a nascer uns novos e fortes. Contou-lhe que, desde há muito tempo, existe uma fadinha, a Fada-dos-dentes, e que sempre que caía um dente aos meninos, eles deixavam o dente debaixo da almofada, a fada vinha de noite e trocava o dente por um presente. Pedrito empolgado encontra a mãe.
-Mamã! Quero que chegue a noite. Vou pedir um presente à Fada-dos-dentes! Olha, caiu-me um!
-Calma, Pedro. Vamos jantar agora, depois vestes o pijama, lavas os dentes e vais deixar o teu dente para a Fada, então…
Entretanto, chega o irmão mais velho de Pedrito, que apanha a conversa a meio.
-Oh Pedrito! Tu acreditas na Fada-dos-dentes, também? – Diz-lhe ele com um ar espantado. Ricardo sempre foi um menino que acreditava na magia, e no mundo mágico. Já tinha dezasseis anos, mas continuava a crer nisso.
-Sim, mano! A Fada-dos-dentes vai dar-me um presente! O meu dente caiu!
-Uau! Olha, queres que te conte uma história? Do meu primeiro dente que caiu?
-Sim! Quero muito! Conta-me, mano…
Sentaram-se ambos no sofá, depois de jantar, e Ricardo começou…
-A mãe, um dia, contou-me que existia a Fada-dos-dentes. Eu não acreditava. O mano tinha a mania que os mundos mágicos não existiam. Até que ela disse para eu deixar mesmo o meu dente debaixo da almofada, que logo a fada vinha trocar o dente por um presente. Eu era teimoso e queria provar á mãe que não havia fada nenhuma, por isso, deixei o dente debaixo da almofada. Adormeci, e no dia seguinte levantei-me e não estava dente nenhum debaixo da almofada, sabes o que estava? Um saquinho de moedas de chocolate. Não queria acreditar. Desde esse dia que estava sempre à espera que caísse outro dente, para ficar acordado e ver quem trocava os meus dentes por moedas de chocolate. Umas semanas depois, caiu outro dente. Pu-lo debaixo da almofada, e deixei-me ficar acordado. A janela estava aberta, quando vejo uma luzinha na minha direcção. Fechei os olhos e fiz de conta que estava a dormir. Ouvi uma voz pequenina e fininha resmungar e, quando a senti debaixo da almofada, levantei-a e apanhei a fada com um copo. Larguei logo. Podia sufocá-la e estava muito espantado.
-Oh, menino! O que fazes tu acordado, ainda?
-Não acredito! És mesmo uma fada!
-Pois claro que sou! – Diz-lhe ela sacudindo as asas. – E dos dentes!
Eu toquei-lhe com muito cuidado e ela era real! Conversámos muito! Até o amanhecer. Ela tornou-se minha amiga e vinha todas as noites dar-me um pozinho de soninho bom. Mas um dia, já tinha os dentes todos fortes e ela foi despedir-se de mim. Chorámos muito. Eu não queria que ela não aparecesse mais, mas ela prometeu que um dia voltaria. E olha o que me deu: um fio, esta moeda é da sorte, é mágica! Anda sempre comigo. E pronto. Nunca mais vi a minha Fada.
Pedrito escutava o irmão, extasiado.
-Uau! Mano! Eu vou conversar também com a tua fada! Posso?
-Sim, vamos esperar por ela esta noite, boa?
-Sim! Sim! Sim!
Pedrito estava mesmo entusiasmado com tudo aquilo.
Deitaram-se. Ricardo dormiu com Pedrito. Fingiram que dormiam quando viram a luz.
-Shiuu! Fecha os olhos. – sussurra Ricardo.
Ricardo ouve a voz que lhe era familiar, e dá um pulo.
-Fadinha! És tu!
-Ah! Quase morria de susto! – grita a fadinha ofegante.
Pedrito, espantado, toca-a.
-És mesmo real! O mano tem razão.
-Sim! Esperavas outra coisa? Vocês são mesmo irmãos. – diz ela em tons de graça, na direcção do Ricardo, para lhe lançar uns pozinhos. – Tinha saudades tuas, já! – diz-lhe, enquanto liberta também pozinhos sobre Pedrito.
Ficaram toda a noite a falar e, desde então, a fada voltou a visitar Ricardo, porque vinha também ver Pedrito.
Porque os pequeninos, podem receber visitas mágicas…

5 comentários:

de dentro pra fora.... disse...

É uma pena os adultos não receberem essas visitas mágicas...ou será que recebem!? :))

Gosto de pensar que sim, mas isso não é a minha cabeça a pensar, :)) deve ser masmo o coração ♥

CLAP!CLAP!CLAP! disse...

Ola minha cara amiga virtual!!! não imagina o sorriso enorme e franco que disparei quando vi a palma da sua mão impressa na tela branca...!
Ando escorregadio mais pelo tempo q me me arrepanha a mioleira do que pelos afazeres agora brandos.Assim sendo prometo voltar e lê-la com atenção!
Até já!

Coragem disse...

Sónia, mais um texto magnifico, digno tal como os outros de ser editado.

Ao Ivo nunca lhe falei da Fada, mas a Beatriz, foi crescendo a acreditar na fada-dos-dentes, caia um e era colocado debaixo da almofada.
Esta fada, não dava presente, mas sim moedas, cada dente, cada moeda.
De tal forma, que esta menina, mal sentia um a abanar, fazia questão de o abanar tanto para cair e assim colocá-lo debaixo da almofada.

Um dia, achando que já estava crescida demais, resolvi de mansinho contar a verdade.
O que eu fiz, a desilusão foi total, que tristinha que a minha Patanisca ficou, cada vez que se fala nisso, olha para mim furiosa, mas encantada de ter passado pelas magias da infancia :))))

Beijinho grande

D.Antónia Ferreirinha disse...

Eu também acredito na magia e na fadinha dos dentes.
Que bonito.
vai escrevendo que qualquer dia ainda conto as tuas histórinhas aos meus miudos.
beijinho, minha linda.

Sunshine disse...

Eu acredito neste mundo mágico, basta deixar que a inocência da criança que tenho dentro de mim venha à superfície. Os teus contos têm o condão de me lembrar do quão importante é esta magia.
Mais uma vez parabéns e beijinhos com raios de Sol